F-35 COM "PAYLOAD" EXTERNO EM TREINOS EM PORTA-AVIÕES BRITÂNICO AO LARGO DOS EUA


Costa Leste dos EUA
14 de Outubro de 2023

No convés do voo do porta-aviões HMS Prince of Wales (R09) da Marinha do Reino Unido, ao largo da costa Leste dos Estados Unidos, a 14 de Outubro de 2023, um F-35B (68), "Air Test and Evaluation Squadron 23" (VX-23), "Patuxent River F-35 Integrated Test Force" (PAX ITF), da Marinha dos Estados Unidos, que pode receber, neste modelo de teste, um "payload" até 22 000 libras (10 toneladas). 

Prestes a descolar, está aqui equipado, nos pontos de fixação exteriores sob as asas, com bombas guiadas "Paveway" IV / GBU-49 de 500 libras (227 kg). Todas elas em configuração inerte. Esta acção decorre com a integração de equipas das forças do Reino Unidos e dos Estados Unidos em termos de equipamentos, armamento, operação e coordenação.

A "Paveway" resulta da integração de uma carga composta por uma bomba convencional da série Mark 80 (das 250 às 2 000 libras, 113 a 907 kg) com sistema de controlo e navegação guiado por laser e por GPS. Em particular a Paveway IV, construída pela Raytheon, foi desenvolvida com especial orientação ao requisito de poder atingir alvos em movimento.

O F-35B corresponde à variante de descolagem curta e aterragem vertical (STVOL, "Short Take-off and Vertical Landing") do F-35, desenvolvido pela norte-americana Lockheed Martin e ao serviço originalmente desde 2012. Com 15,6 metros de comprimento, 4,36 metros de altura e uma envergadura de asa de 10,70 metros, tem um peso máximo à descolagem de 27,2 toneladas. É propulsionado por uma turbina Pratt & Whitney F135 que lhe permite uma velocidade máxima de 1 960 km/h (Mach 1.6), com um raio de alcance de combate de 935 km. Está armado com um canhão automático de 25mm, GAU-22A, com 220 munições; possui dois compartimentos internos (cada um com 2 pontos de fixação), até um máximo de 2,6 toneladas; e quatro pontos de fixação externos para armamento e equipamento adicional. Um "paylod" típico do F-35B assenta no uso exclusivo dos seus compartimentos internos, equipados com dois mísseis ar-ar (AIM-120C/D AMRAAM) e duas bombas guiadas (GBU-32 JDAM).

O porta-aviões HMS Prince of Wales (número de amura R09), actualmente comandado pelo Capitão de Mar-e-Guerra (OF-5) Ian Feasey e com uma guarnição de 7 centenas de elementos, desloca 65 000 toneladas, com 280 metros de comprimento, transportando até um máximo de 7 dezenas de aeronaves (4 dezenas em alocação comum), podendo alcançar uma velocidade máxima de 25 nós (tendo sido testado até 32 nós) e com um alcance operacional de 19 000 km. Iniciou os seus testes em 2017 e entrou ao serviço operacional da Marinha do Reino Unido em 2019. Existem actualmente 2 porta-aviões ao serviço da "Royal Navy", da classe "Queen Elizabeth": o HMS "Queen Elizabeth" (R08) e o HMS "Prince of Wales" (R09).

Largou da Base Naval de Portsmouth no Sul de Inglaterra, a 1 de Setembro de 2023, rumo à costa Leste dos EUA, onde decorrem, entretanto, exercícios e treinos conjuntos com as Forças dos EUA. Estão previstos treinos de operação, entre outros, do drone "Mojave" e de aeronaves MV-22 "Osprey" sobre o convés de voo deste porta-aviões britânico. Está projectada uma duração de missão de cerca de 3 meses, devendo regressar ao Reino Unido em finais de Dezembro de 2023.

Foto via Marinha do Reino Unido ("Royal Navy")

Comentários

Mensagens populares deste blogue

SUBMARINO ESPANHOL DISPARA TORPEDOS DE ENSAIO

"DRONE" DE FABRICO PORTUGUÊS NA UCRÂNIA

KA-52 NO ASSALTO AO AEROPORTO "ANTONOV"