LEOPARD DINAMARQUESES ENFRENTAM T-55 SÉRVIOS


Tuzla, Bósnia e Herzegovina
29 de Abril de 1994

A 29 de Abril de 1994, no Teatro de Operações da Bósnia e Herzegovina, o Esquadrão Dinamarquês de carros de combate (DANSQN 2), composto por uma dezena de Leopard 1A5 do "Jydske Dragonregimen", aqui afectos ao Batalhão "Nord" (NORDBAT 2), uma força combinada de 1 246 militares dinamarqueses, suecos e noruegueses, comandado pelo Coronel Christer Svensson, sob a égide UNPROFOR ("United Nations Protection Force"), enfrentou, a cerca de 8 km a Leste da Base Aérea de Tuzla, uma força conjunta de carros de combate T-55, lançadores de mísseis anti-carro AT-3 Sagger e artilharia de 152mm das forças do Exército Sérvio.

Face aos repetidos ataques de artilharia do Exército Sérvio dirigidos sobre a zona da Base Aérea de Tuzla, foi desenhado pelo NORDBAT um plano de resposta rápido, designado por Operação "Bøllebank" ("Assalto Anti-Bulling"), compreendendo a projecção de carros-de-combate Leopard 1A5 do esquadrão dinamarquês para posições a Norte do monte Vis, junto às localidades de Saračia e Kalesija, a partir das quais poderiam responder à origem do fogo sérvio e aos seus postos de observação e controlo de tiro.

O posto avançado "T2" ("Tango 2") na povoação de Jajići, numa posição elevada a cerca de 4 km a Nordeste de Kalesija e a cerca de 15 km a Leste da Base Aérea de Tuzla, geo-referenciação 44.463765, 18.919614 , https://maps.app.goo.gl/wHMJXSdQJ7sZcYFc6 , guarnecido por 7 militares suecos do NORDBAT, é alvo de dois ataques sucessivos de morteiros e artilharia do Exército Sérvio na noite de 29 de Abril de 1994.

Em resposta a estes ataques, o NORDBAT desencadeia de imediato a Operação "Bøllebank" projectando uma força, comandada pelo Tenente-Coronel Lars Reinhardt Møller, com 7 dos seus Leopard 1A5, rumo a Sarači, com 1 viatura blindada de lagartas sueca "Pansarbandvagn 302" (PBV 302) como elemento de apoio e comando. A força iria reunir-se nesta localidade, e, parte da mesma, progredir até Kalesija, a cerca de 4 km a Leste, e a partir desta rumar mais 4 km a Norte, até ao posto T2, na localidade de Jajići.

As forças do Exército Sérvio controlavam uma importante posição fortificada no topo do Vis, uma elevação de 450 metros, geo-referenciação 44.427678515257426, 18.85503729237847 , ref. https://maps.app.goo.gl/spryMR2iLLEfcFpH8 , dominando a estrada entre Sarači, Kalesija e T2. Além de fogo directo, distando menos de 3 000 metros a Sul de Kalesija, esta posição suportava os observadores de artilharia para a condução de tiro das suas peças de 152mm, M84 NORA, localizadas a Sul desta elevação. As forças dinamarquesas e suecas do NORDBAT atribuíram a este ponto a designação popular de "Sukkertoppen", literalmente "Topo de Açúcar".

O DANSQN, comandado pelo Major Carsten Rasmussen, é atacado pelo Exército Sérvio à sua chegada a Sarači e Kalesija com uma combinação de mísseis guiados anti-carro 9M14 “Malyutka" (designação NATO AT-3 "Sagger"), artilharia de 152mm e carros de combate T-55 (com peça D-10T de 100mm e metralhadora pesada 12,7mm). Os Leopard 1A5 dinamarqueses respondem ao fogo, e ao longo de um intenso combate que decorre durante 30 a 45 minutos, são disparadas 72 munições (44 de alto-explosivo de fragmentação, 19 perfurantes e 9 de fósforo) pelas suas peças de 105mm, Royal Ordnance L7A3. Dois dos Leopard dinamarqueses alcançam a posição elevada "TANGO 2", prestando apoio aos militares suecos (e onde se manteriam durantes os dias seguintes), e os restantes Leopard mantiveram posições em Kalesija e Sarači.

Três T-55 sérvios são colocados fora de combate, é destruída uma peça de artilharia Bofors de 40mm, um depósito de munições e uma posição fortificado, e terão sido provocadas dezenas de baixas entre as forças sérvias, tendo cessado o seu ataque. As forças do NORDBAT não registaram baixas nem perderam equipamento.

Cartografia via OpenStreetMap e TomTom | Fotos via OSINT | Concepção da infografia, composição e edição por "Espada & Escudo"

Comentários

Mensagens populares deste blogue

SUBMARINO ESPANHOL DISPARA TORPEDOS DE ENSAIO

"DRONE" DE FABRICO PORTUGUÊS NA UCRÂNIA

Formação de 6 navios da Marinha da Federação Russa acompanhados por meios aeronavais da Marinha e Força Aérea Portuguesas