"MOSQUITO" HIPER-SÓNICO RUSSO NO MAR DO JAPÃO


Golfo de Pedro o Grande, Mar do Japão
Março de 2023

Meio afectos à Frota do Pacífico ("Тихоокеанский флот") da Federação Russa, a operar a partir de Fokino ("Фо́кино") e Vladivostok ("Владивосто́к"), prodeceram, em Março de 2023, a um teste de lançamento contra um alvo simulado (a 100 km), no Golfo de Pedro o Grande ("Залив Петра Великого") no Mar do Japão, de um míssil anti-navio, hipersónico, P-270 "Moskit" (П-270 "Москит").
O P-270 "Moskit" (П-270 "Москит"), "Mosquito", designação NATO SS-N-22 "Sunburn", originalmente ao serviço desde 1983, sendo capaz, na sua versão mais recente (3M80MVE) de um velocidade máxima de Mach 2 a Mach 3 (cerca de 3 700 km/h), voando a uma altitude de cerca de 20 metros acima do nível do mar (reduzida para 7 metros na trajectória terminal), com um alcance operacional de 140 km (em voo de baixa altitude, mitigando detecção) até 250 km (com voo a maior altitude, mais exposto à detecção). Tem uma massa total de 4,5 toneladas, um comprimento de 9,7 metros, um diâmetro de 80 cm, e está armado com uma ogiva penetrante de 300 kg - que pode compreender uma carga de 150 kg de alto-explosivo ou um carga nuclear de 120 quilotoneladas.
No vídeo podemos acompanhar uma corveta lança-mísseis, da classe Tarantul-II (Projecto 1241.1), com o número de amura 991 (R-261, anteriormente, 999 e 943), ao serviço desde 1989. É a partir de um dos seus 4 tubos lança-mísseis (2 tubos KT-152 em cada bordo) que assistimos ao lançamento do "Mosquito". Esta corveta, capaz de uma velocidade máxima de 42 nós, e com um alcance operacional de 4 400km, desloca 549 toneladas e tem 56 metros de comprimento. Conta com uma guarnição de 50 elementos, e está ainda armada, além da plataforma de mísseis anti-navio, com 1 peça de 76mm, AK-176, à vante, e 2 plataformas AK-630 de 30 mm de defesa de curta distância ("Close-In Weapon System", CIWS), à ré, bem como ainda, também à ré, plataforma (MTU-4M) de mísseis de defesa anti-aérea de curto alcance guiados por infra-vermelho.




Em segundo plano, e acompanhando a corveta, supervisonando toda a simulação, temos o "Marechal Krylov", da classe "Marechal Nedelin". Com o número de amura 331, desloca 23 780 toneladas, com um comprimento de 211 metros e uma boca de 27,5 metros, tendo uma guarnição de 350 militares, estando afecto às missões de observação e recolha de informações e de comando e controlo de comunicações.
A sua construção iniciou-se em 1982 nos estaleiros de Leningrado (actual São Petersburgo), tendo sido lançado à água a 24 de Julho de 1987 e entrado ao serviço a 31 de Dezembro de 1989. Após uma profunda revisão e acções de melhoria e actualização, que tiverem lugar nos estaleiros de Vladivostok entre 2015 e 2018, o "Marechal Krylov" vê reforçadas as suas capacidade de acompanhamento das manobras e comunicações do programa espacial, de operar como centro de comando, controlo e comunicações para conjuntos alargados de navios, submarinos, aeronaves e centros terrestres, bem como cumprir missões de recolha de informações electrónicas e de comunicações (ELINT/SIGINT).
Está equipado, entre outros, com plataformas de sonar, de radar (ar e superfície), de comunicações de satélite, plataformas de processamento de imagem, navegação, de medição e intercepção de sinais. Conta ainda com dois helicópteros Kamov Ka-27 (designação NATO, "Helix"). Para auto-defesa pode estar equipado com até 6 peças CIWS AK-630 (4 à vante e 2 à ré), de 6 canos rotativos de 30 mm.
O "Marechal Krylov" é o único navio sobrevivente dos 2 navios efectivamente construídos da classe "Marechal Nedelin" (Project 1914; designação NATO "Zodiac"). O "Marechal Nedelin" foi descomissionado em 1998 e desmantelado como sucata. Um terceiro navio, o "Marechal Biryuzov", teve a sua construção iniciada, mas não foi terminada, e foi também desmantelado como sucata.
Vídeo via Ministério da Defesa da Federação Russa | "Министерство обороны Российской Федерации"

Comentários

Mensagens populares deste blogue

SUBMARINO ESPANHOL DISPARA TORPEDOS DE ENSAIO

"DRONE" DE FABRICO PORTUGUÊS NA UCRÂNIA

KA-52 NO ASSALTO AO AEROPORTO "ANTONOV"